ARTIGOS

ARREMESSO DE DISCO
– O arremesso de disco era uma das competições mais apreciadas pelos gregos e sua prática exigia sincronia nos movimentos e força. Temos testemunhos da competição já na Ilíada, nos jogos organizados por Aquiles em homenagem a seu amigo Pátroclo. Em Homero, o disco era atado a uma correia de couro e arremessado o mais distante possível. Nas representações posteriores, o disco passa a ser arremessado sem o uso de correias, de modo semelhante ao nosso atual arremesso de martelo. As peças descobertas pela arqueologia têm entre 1,3 e 6,6 kg. Antônio e Augusto não perderam a chance de imitar os desenhos dos vasos que víamos. Seus movimentos torcendo o corpo e simulando o arremesso eram engraçados, mas Cléia parece que pressentia a possibilidade de acidentes e alarmes tocando novamente:
 
– Meninos, quando formos lá fora vocês continuam o treino, está bem?
 
– disse ironicamente Cléia, que aproveitou para perguntar ao Andréas se ocorriam acidentes no lançamento de discos.
 
– Se levarmos em conta os relatos mitológicos, que muito frequentemente se originam de experiências vividas no mundo real, eles não só aconteciam como eram graves: Apolo matou involuntariamente seu amigo Hiacinto quando, tendo arremessado um disco, este foi desviado de sua trajetória pelo vento Zéfiro; Perseu matou Acrísio, seu próprio avô, em um acidente parecido. Essas histórias mostram que no mínimo havia um perigo a ser considerado na prática do arremesso de disco.

* Artigo foi extraido do livro Uma viagem à Grécia: os jogos olímpicos e os deuses, de Stylianos Tsirakis.

Copyright © 2011 - All Rights Reserved - Areté - Centro de Estudos Helênicos
Rua dos Macunis, 495 São Paulo - SP - Brasil 05444-001
Tel: (11) 3032-3939 | E-mail: secretaria@arete.org.br